Horta em casa: como cultivar

É vital seguir alguns cuidados para que o cultivo tenha sucesso do plantio à colheita, confira:

1. Iluminação

Pequenos espaços podem render ótimas hortas, mas para que as plantas tenham um bom desenvolvimento é preciso observar a iluminação do local. “Para o cultivo de hortaliças precisamos de, no mínimo, cinco horas de luz do sol direta por dia, pode ser no período da manhã ou da tarde. Não coloque na sombra ou luz indireta”, aconselha Caroline Reyes, agrônoma da Embrapa Hortaliças (Brasília/DF).

Sendo assim, observe bem os cantos disponíveis e escolha o mais arejado e iluminado – se a incidência for de sol da manhã, melhor ainda! A luz do sol é indispensável para que a planta sobreviva, então jamais opte por locais escuros e não conte com a ajuda de iluminação artificial.

Vale lembrar também que a incidência de luz pode mudar e a horta precisa acompanhar a claridade. “Para hortas dentro de casa que em geral estão em vasos, atenção para a mudança da incidência do sol ao longo do ano. Se necessário, mude-as de lugar”, ressalta Renata Rodrigues Bonazzi.

2. Irrigação

A irrigação é uma parte importante no cultivo de uma horta e o modo como essa atividade é realizada pode fazer toda a diferença no desenvolvimento das hortaliças. A recomendação de Caroline é para tomar cuidado com o excesso de água, que pode causar o apodrecimento das raízes. Para evitar o acúmulo, o ideal é optar por vasos com furos no fundo. Ainda assim, cuide para que você coloque uma quantidade moderada de água.

“Deve-se irrigar os vasinhos sem deixar escorrer água embaixo. A água em excesso causa a lixiviação do solo, ou seja, lava o solo, levando os nutrientes embora. O ideal é irrigar de modo que nunca escorra água”, ensina a agrônoma.

Mas, então, qual a quantidade ideal de água? Acertar a quantidade e a frequência das irrigações vai depender muito das espécies plantadas e do local da sua horta – hortas em vasos tendem a secar mais rápido que em canteiros, por exemplo.

“Difícil dizer quanto e quando irrigar. Varia de planta para planta, de clima para clima. Em geral, sugerimos regas diárias ou a cada dois dias. De preferência, no início da manhã ou fim da tarde quando não há incidência de sol sobre a horta”, indica Renata.

Para verificar a necessidade de água, é importante observar o aspecto da planta, atentando-se para folhas amareladas, secas ou caídas, que podem ser sinais de falta de água. Outro método de verificação é inserir o dedo ou um palito no solo: se ao retirar o palito ou o dedo eles estiverem úmidos ou com terra grudada, o solo ainda está molhado; caso contrário, é hora de fazer uma nova rega.

Na hora de regar, a dica de Renata é direcionar a água com proximidade da raiz e evitar jogá-la “por cima”, de modo que a água não entre em contato com as folhas. “Isto pode evitar que alguma doença que já esteja nas folhas prolifere para o resto da planta”, explica.

3. Preparação do solo

A preparação do solo é um passo importante para seguir antes de dar início ao plantio dos vegetais. É preciso garantir que o solo da horta seja rico em nutrientes e matéria orgânica para que as plantas cresçam com saúde e resultem em hortaliças de qualidade.

Há formas diferentes de preparar o solo com uma boa quantidade de nutrientes, existindo, inclusive, alternativas de terras já preparadas que podem ser compradas em lojas especializadas. Quem deseja fazer a preparação em casa pode adotar uma das receitas indicadas pelas especialistas.

A agrônoma da Embrapa Caroline Reyes indica uma mistura que leva quatro tipos de ingredientes: 50 litros de terra, 100 gramas de cal hidratada, adubo orgânico (17 litros de esterco de galinha ou 34 litros de esterco de gado) e adubo químico (200 gramas de NPK 4-14-8 ou 100 gramas de NPK 4-30-16).

Já a indicação de Renata Rodrigues Bonazzi, do Horta Zen, é um composto de três partes: 1/3 de terra preta, 1/3 de um mineral chamado vermiculita e 1/3 de matéria orgânica, que pode ser esterco de aves, húmus de minhoca ou outros compostos.

Outro ponto a ser observado é em relação à leveza e drenagem do solo. “A leveza e a drenagem são importantes para que o solo não fique compactado e as raízes possam fluir e se desenvolver por todo o espaço que têm. Estas características também contribuem para um solo não encharcado que podem levar ao apodrecimento das raízes e ao desenvolvimento de fungos”, esclarece Renata.

4. Adubação

Manter o solo da horta rico em nutrientes através da adubação vai ajudar a formar plantas mais bonitas, viçosas e bem desenvolvidas.

“As hortaliças são muito exigentes em nutrição, por isso, além do solo previamente preparado, depois que as plantinhas estiverem crescendo é necessário fazer adubações complementares a cada 15 dias”, pontua Caroline. Além desse cuidado, Renata recomenda que a cada colheita, o solo seja adubado antes de receber o plantio de um novo vegetal.

As adubações podem ser feitas com compostos orgânicos, esterco de galinha ou gado, húmus, sulfato de amônio ou adubos químicos. Lembre-se que quanto maior a variedade de adubos orgânicos utilizados, melhor para a saúde – sua e das plantas!

5. Colheita

O tempo para colher um vegetal varia muito de acordo com a espécie de planta e pode ser influenciado pela época do ano, pela qualidade do solo, nutrientes, irrigação, eventuais pragas ou doenças e demais cuidados no cultivo. É comum que os pacotes de sementes venham com a previsão de colheita indicada na embalagem, mas este não deve ser um fator limitante em uma horta caseira.

“A planta não precisa estar no seu desenvolvimento máximo para iniciar a colheita. Você pode colher antes”, aponta Renata. Segundo a especialista, colher antes do desenvolvimento máximo pode proporcionar algumas vantagens, como o incentivo para que a planta cresça mais e a liberação de espaço para o desenvolvimento das plantas vizinhas, além de maior rapidez de consumo.

(Fonte: Dicas de Mulher)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *