Empresas se unem para fortalecer segmento da construção civil em Ribeirão Pires

Com criação do NUPI (Núcleo de Produção Imobiliária), organizações facilitam avanço do setor e abrem diálogo com a Prefeitura Municipal para orientar o desenvolvimento urbano

Nos últimos anos, Ribeirão Pires ampliou as condições para o desenvolvimento habitacional por meio de políticas voltadas para a construção civil e pelo esforço de empresas que atuam nesse setor na cidade. Essas organizações querem aproveitar o bom momento do mercado imobiliário local para tornar o segmento forte e impulsionar a construção tanto de empreendimentos residenciais quanto empresariais.

Para isso, em 2017, aproximadamente 15 empresas decidiram formar um grupo com um único objetivo: ampliar os negócios na área da construção civil dentro da Estância. “A principal vantagem de formar esse tipo de coalizão é o compartilhamento do saber, a famosa ‘troca de figurinhas’ visando à busca pelas melhores práticas no mercado local, de forma que se obtenha um desempenho superior nos empreendimentos a serem desenvolvidos”, explicou Jéssica Cabello Rodriguez, sócia-administradora da Alligare Empreendimentos Imobiliários e Consultoria Empresarial, uma das organizações que compõem esse grupo, batizado de NUPI (Núcleo de Produção Imobiliária).

Formado por construtoras, imobiliárias, fabricantes de materiais de construção, lojas de decoração e jardinagem e depósitos, entre outras empresas, o NUPI também tem como função auxiliar o poder público municipal na adoção de políticas que favoreçam o setor. “Temos percebido uma evolução considerável em Ribeirão Pires. Nos últimos dois anos há um investimento maior na construção e reforma de imóveis, mas ainda é necessário avançar mais, principalmente no aumento dos canais de comunicação e na adoção de políticas que incentivem a geração de empregos e conscientização dos donos de imóveis da necessidade de atrair novas empresas com valores de locações mais atrativos”, avaliou Saulo Diniz, sócio-administrador da Diol Salorsano, empresa do ramo de arquitetura e paisagismo e membro do NUPI.

Os integrantes do núcleo são unânimes ao apontar a criação de novos postos de trabalho como uma das principais vantagens obtidas com o aumento no número de novas construções na cidade. A entrada de incorporadoras e construtoras, bem como de empresas interessadas em instalar plantas industriais, provocaria também o crescimento urbano e desenvolvimento local no médio prazo. “Os dois principais benefícios seriam a geração de empregos e a melhoria nas condições de infraestrutura urbana e de habitação. O aumento da quantidade de moradias, por exemplo, vai reduzir o déficit habitacional, fazendo com que, por consequência, se tenha a ampliação do saneamento básico, da distribuição de energia e da capilaridade do transporte público”, apontou Jéssica, da Alligare Empreendimentos.

O NUPI tem entre seus idealizadores a Aciarp (Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Ribeirão Pires), entidade que proporciona mecanismos para aperfeiçoar a representatividade empresarial, fomentar negócios, tornar o comércio entre empresas e o mercado consumidor mais seguro e promover a melhoria da gestão empresarial na cidade. “O empenho de cada empresa para viabilizar o nascimento desse grupo é essencial para evoluirmos os debates tanto com a Prefeitura quanto com outros atores interessados em investir aqui. Queremos fortalecer esse segmento porque, dessa forma, estamos contribuindo para beneficiar centenas de moradores e garantir a entrada de mais recursos para o desenvolvimento do município”, afirmou Eliete Vieira, diretora da associação.

O diálogo com o governo municipal é constante, segundo Eliete, e tem sido orientado para garantir uma ocupação do solo coerente com a legislação que trata da conservação de áreas de proteção de mananciais, como é o caso de Ribeirão Pires. Nesse aspecto, uma das principais melhorias em estudo pelo NUPI trata da padronização de procedimentos do poder público para a construção de empreendimentos e a redução do tempo para aprovação das obras. Se as incorporadoras souberem exatamente o que devem apresentar, os documentos exigidos e os órgãos aos quais devem submeter seus projetos para aprovação, entre outras informações, poderão realizar esses procedimentos de forma mais eficiente e ágil.

O núcleo de empresas do setor pretende contribuir ainda mais com essas e outras discussões e fortalecer a rede de contatos entre seus membros, aproximando empresários e órgãos municipais na busca de soluções que possam dar à cidade condições de continuar crescendo sem abrir mão da qualidade de vida que oferece aos seus moradores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *